Facebook
Copy/Paste

Olli Rehn, comissário europeu das Finanças

Os Estados membros que se comprometam a realizar uma importante reforma das pensões poderão receber apoio para o programa de aprendizagem ao longo da vida a favor dos trabalhadores mais velhos

Marisa Matias

É preciso cumprir!

A frase batida do "é preciso cumprir" é, muito provavelmente, uma das mais escutadas nos últimos dois anos. Diria mesmo que é a frase que remata a sempre interminável explicação sobre a ausência de alternativa.


Read more...
Mil Palavras

Itália 2013

berlusconibersani01 Berlusconi e Bersani, coligação, austeridade, condenação

Instantâneos
Reflexões

Veja como se conspira contra a democracia na Venezuela

A vitória de Nicolás Maduro, na Venezuela, não foi ampla mas nenhuma instância internacional que tenha enviado observadores a considera ferida de legitimidade. No entanto, tal como aconteceu antes e durante a campanha eleitoral, conspira-se na Venezuela para destruir a democracia, sob a direção habitual dos Estados Unidos da América, recorrendo aos seus satélites na região como operacionais. A agência Mediapart, na sua edição em espanhol, explica como.

PS às voltas com a "esquizofrenia política" PDF Print
Friday, 30 March 2012 00:00

 

As reformas laborais nos países da União Europeia, designadamente o processo em curso em Portugal, e ainda a venda do BPN, onde "muito continua por esclarecer" foram os temas da crónica de Miguel Portas no "Conselho Superior" da Antena Um.

Como liberalizar os despedimentos e como multiplicar as formas de contrato precário são dois dos grandes objectivos das reformas laborais que estão a ser impostas na União Europeia, lembrou o eurodeputado, e que motivaram uma grande greve geral em Espanha na quinta-feira.

Liberalizar é "tornar mais fácil e barato ao patronato despedir", sublinhou o eurodeputado da Esquerda Unitária (GUE/NGL) eleito pelo Bloco de Esquerda; trabalho precário significa "menos direitos e trabalho menos seguro". Além destes pontos, está igualmente em causa o poderoso instrumento da contratação colectiva.

Na situação portuguesa, Miguel Portas levantou as dúvidas sobre a posição do PS, que sofre "de uma espécie de esquizofrenia política" porque tem um discurso formal contra a austeridade mas, por outro lado, "o partido foi raptado pelo memorando que assinou com a troika e que o amarra à austeridade".

Quanto à venda do BPN, Miguel Portas recordou que a Comissão Europeia levantara um processo de averiguações "muito duro", a que se seguiu agora uma autorização de venda através de um comunicado "parco em explicações" culminada com a concretização imediata do negócio. "Também esta pressa tem em si mesma muito para esclarecer", sublinhou o eurodeputado.

BE Internacional, 30 de Março de 2012